É extremamente aconselhável utilizar os óleos recomendados pela montadora no seu carro. As especificações contidas no Manuel do proprietário do veículo devem ser levadas muito a sério, sejam nas trocas de óleo ou apenas para completar o nível. No entanto, essa regra não quer dizer que você precisa fazer isso apenas nas concessionárias e com as marcas vendidas por elas.

O que é realmente fundamental é se ater as especificações indicadas. O primeiro ponto é observar se o óleo adequado para o seu veículo é o mineral, o sintético ou o semissintético. É importante observar também as siglas na embalagem que indicam o desempenho e os testes de viscosidade.

Tipos de óleo

O tipo de óleo básico utilizado no lubrificante adequado para o seu carro já vem identificado nas especificações. Entenda a diferença entre eles:

  1. Mineral: é uma mistura de vários compostos obtidos a partir da separação de componentes do petróleo. Por serem mais baratos, são os mais utilizados nos lubrificantes para carros.
  2. Sintético: são fabricados com um maior controle e obtidos através de reação química. Como resultado disso, são mais puros que os óleos minerais, tendo uma qualidade superior. Conseguem funcionar melhor em baixas e altas temperaturas. Por serem produtos superiores, geralmente também são mais caros.
  3. Semissintético: são formados em sua composição por mistura de proporções variadas de básicos sintéticos e minerais. O objetivo disso é tentar agrupar as melhores propriedades dos dois tipos com um custo mais otimizado, ficando no meio termo entre os minerais e os sintéticos.

Atenção

Não é recomendado misturar óleos sintéticos e minerais, principalmente se forem de empresas distintas. Isso pode prejudicar o desempenho do veículo e gerar problemas no motor.

Qual o tipo de óleo que você utiliza no seu veículo? Quais marcas apresentaram um melhor desempenho na sua experiência? Conta pra gente nos comentários!